Museu MM Gerdau divulga programação de fevereiro

0
87

Após a programação de férias em janeiro, o Museu das Minas e do metal anuncia as atividades culturais e educativas para fevereiro. Destaques são ações do educativo do Museu e oficinas voltadas para a temporada carnavalesca, além de atividades para o público maior de 60 anos e uma palestra que dialoga com a temática da ciência e tecnologia como expressão artística.

Abrindo 2020, após a temporada de atividades de férias voltadas para o público infanto-juvenil, O MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal contará com uma programação intensa e diversificada ao longo de todo o mês de fevereiro. A proposta da curadoria é promover ações que estabeleçam uma sinergia contínua entre os campos das artes, ciência e tecnologia, por meio de atividades que reflitam temas atuais e reverberem iniciativas que evidenciem a valorização da diversidade de expressões culturais e educativas.

Entrando no clima de carnaval que já toma conta da cidade, o MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal promove, entre os dias 04 e 21 de fevereiro, três atividades educativas dentro da programação “Em caixa no Carnaval!”. O recorte educativo do museu, desenvolvido a partir do viés da ciência e tecnologia, propõe um diálogo quanto a ressignificação de conceitos e espaços, assim como o Carnaval faz por meio da ocupação urbana e apropriação dos espaços públicos de forma ampla, livre e democrática.

A primeira atividade é a Oficina “Em Caixa!”, voltada para públicos de todas as idades. A proposta é fazer com que os participantes possam criar e customizar suas próprias fantasias e adereços carnavalescos a partir do uso do papelão. A oficina é aberta a qualquer interessado e será realizada diariamente, sempre das 13h às 17h, entre os dias 04 e 21/02.

Na quarta-feira, 05 de fevereiro, o Museu estreia o programa Experimenta 60, com a promoção da oficina “Coral Performático”, a partir das 9h30, que tem sequência em encontros quinzenais. O Coral tem como foco trabalhar a qualidade de vida, proporcionando acesso à educação musical como terapia, além de promover o protagonismo 60+ por meio do desenvolvimento criativo e expressivo do ser. A atividade desenvolve-se por meio de ensaios para canto livre, associado a performances teatrais, no intuito de motivar a livre expressão dos participantes. Trata-se, portanto, de uma atividade mais voltada para experimentação e não para a formação artística. A ideia é que público possa experimentar a sensação de cantar. As atividades do programa Experimenta 60 irão envolver ações nas áreas de teatro, canto e no cinema. A programação tem como objetivo promover a saúde, o bem-estar e a socialização da pessoa idosa por meio da cultura. “Experimenta 60” é um projeto de ocupação dos espaços do MM Gerdau com intervenções culturais, artísticas e educativas para a população 60+ de Belo Horizonte.

Dando sequências as atividades educativas com o tema de carnaval, às quintas –feiras (06, 13, 20 e 27 de fevereiro), o núcleo de teatro do Educativo, promove para as crianças, das 16h30 às 18h, o Projeto Encenações. Trata-se da apresentação de uma esquete teatral desenvolvida a partir do poema “Conversa com a Pedra”, da prestigiada escritora polonesa Wislawa Szymborska. Ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura, em 1996, a escritora teve cerca de 350 poemas publicados e suas obras foram traduzidas para 36 línguas.

Na quinta-feira, 06 de fevereiro, o Museu recebe a palestra “Desenvolvimento Sustentável”, com a participação de Leandro Guerra Martins, do grupo “O Mundo que Queremos”. A palestra começa às 19h30 e aprofundará na discussão a respeito do desenvolvimento sustentável e sua importância para o contexto social, cultural, econômico e ambiental do mundo contemporâneo, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, o que significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitat naturais.

Fevereiro também é mês do Ateliê Científico Acessível, promovido nos dias 27, 28 e 29 de fevereiro. Trabalhando o lúdico como forma de acesso à cultura, às artes e a ciência, o Ateliê coloca o público em contato com as temáticas das deficiências, provocando reflexões e sensibilização, destacando a necessidade de construirmos uma sociedade cada vez mais inclusiva e democrática.

Dando sequência na programação, nos sábados 08 e 15 de fevereiro, e no domingo 16/02, o MM Gerdau oferece, em parceria com o grupo de espeleologia Guano Speleo, o Curso de Introdução à Espeleologia. Voltado para estudantes e interessados em conhecer mais sobre espeleologia. Serão realizados três encontros, sendo que a parte teórica será ministrada nos dias 08 e 15 de fevereiro (dois sábados), das 8h30 às 17h30, no MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, e no dia 16 de fevereiro (domingo), um trabalho de campo em uma caverna não turística (a confirmar o local). As inscrições, no valor de R$120, podem ser realizadas até o dia 06 de fevereiro pelo e-mail cursoguanospeleo@gmail.com.

Durante o curso, o público entrará em contato com temas intrínsecos à espeleologia, pelo contato com espeleólogos com experiência em áreas específicas como: História da Espeleologia; Prospecção Espeleológica; Geomorfologia Cárstica; Geoespeleologia; Bioespeleologia (Invertebrados); Bioespeleologia (Quirópteros); Espeleotopografia; Espeleofotografia; Educação Ambiental; Legislação Espeleológica; Arqueologia e Paleontologia.

Na quarta-feira, 12/02, às 09h30, o MM Gerdau recebe mais uma atividade do programa Experimenta 60. Desta vez é a Oficina de Teatro, que tem sequência com encontros quinzenais. Durante a atividade, técnicas teatrais serão utilizadas como meio de expressar sentimentos e também de colocar-se no lugar do outro, gerando uma reflexão sobre atitudes pessoais perante situações corriqueiras e comuns. Além disso, ao voltarmos nossa atenção para técnicas de teatro direcionadas ao público longevo, produzimos um conhecimento social acerca de como podemos harmonizar as relações entre pessoas de todas as idades.

Um dos destaques da programação de fevereiro é a Oficina de Robótica Ecológica com Jack Holmer, pesquisador e artista com obras na exposição ComCiência – promovida pelo MM Gerdau. A oficina será realizada apenas no dia 13 de fevereiro, às 15h, com o objetivo de demonstrar a utilização de energia limpa (solar) na construção de robôs e objetos eletrônicos e suas possíveis aplicações na vida cotidiana contemporânea. As inscrições podem ser realizadas pelo link: https://bit.ly/38ympfH

A oficina será ministrada pelo artista e pesquisador Jack Holmer, criador da obra “Código das Minúcias”, selecionada via edital e que compõe a Exposição CoMciência: arte, ciência e tecnologia, uma iniciativa do CoMciência, programa de divulgação científica do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal.

No mesmo dia, porém às 19h30, Jack Holmer protagonizará mais uma atividade: a palestra “Consciências Artificiais”. Em sua fala, o artista abordará o tema passando por um breve histórico das pesquisas com Inteligência Artificial e suas aplicações contemporâneas, resultando no tema central do encontro que é voltado para o modo de emular a cognição humana. Serão apresentadas obras de arte e objetos eletrônicos, que estão no limiar tecnológico, assim como também teorias ainda em desenvolvimento e como estes conceitos são aplicados na obra “Código das Minúcias”.

Na semana seguinte, na terça-feira (18/02) às 18h30, o MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal recebe o LAB 60+Café BH, uma reunião com apresentação de projetos e confraternização com café, promovida pelo Movimento LAB60+ Longevidade. O LAB60+ propõe respostas positivas e inovadoras para a longevidade, por meio da conexão entre os diversos atores sociais. Assim, organizações de todos os setores se unem para discutir, propor, implementar, financiar soluções coletivas que ressignificam o que se realizar aos 60+ anos. A participação é gratuita e sujeita a lotação.

Voltando a programação carnavalesca do MM Gerdau, no dia 20 de fevereiro, a partir das 19h, o museu recebe o ensaio do bloco Unidos da Estrela da Morte. Formado por membros do fã-clube mineiro da saga Star Wars – que já existe há 20 anos na capital, o bloco surpreende ao apresentar ritmos de samba-reggae, bem como canções do premiado e respeitado musicista e compositor John Williams, responsável por inúmeras trilhas sonoras de filmes clássicos, séries, animações e videogames da cultura pop. As marchinhas próprias do bloco são compostas de acordo com o conteúdo de cada novo episódio do filme Star Wars, ou seja, a marchinha deste ano tem a temática do derradeiro filme da franquia “Star Wars: A Ascensão Skywalker”, lançado no último mês de dezembro.

Fechando a programação de fevereiro no dia 27, o MM Gerdau recebe às 19h30, no programa Ensaio Aberto, o show “Outra Coisa”. O grupo apresenta em sua formação Silas Prado nos saxofones e flauta, Lucas de Mello na Guitarra, Egberto Brant no Baixo e Victor Mendes na Bateria. O jovem conjunto surgiu em 2018, na Escola de Música da UFMG, a convite do Savassi Festival. Traz em seu nome referência à obra do compositor Moacir Santos, grande influência na trajetória dos músicos, e busca inovar nos arranjos e composições, em sintonia com o próprio nome e de influências como do próprio Moacir Santos, Hermeto Pascoal, Leitieres Leite, Lea Freire, Rafael Martini, Egberto Gismonti, Toninho Horta e outros.

Ao longo de todo o mês, o Museu ainda promove a exposição “CoMciência”, apresentando o trabalho dos artistas contemplados no primeiro “Edital CoMciência – Ocupação em Arte, Ciência e Tecnologia”, que recebeu 252 inscrições, de 5 continentes (América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África), espalhadas por 26 países, sendo que 75% delas eram de projetos inéditos.

A exposição apresenta as obras acrossTIME, de Paul Rosero Contreras (Quito/Equador), Campos Elísios, de Henrique Roscoe (Belo Horizonte, Brasil), Código das Minúcias, de Jack Holmer (Curitiba, Brasil), Culturas Degenerativas, de Cesar & Lois (São Paulo, Brasil / San Marcos, USA), Futura Pele, de Thatiane Mendes (Belo Horizonte, Brasil) e Ilha Sonora, de Camila Proto (Porto Alegre, Brasil). A curadoria da exposição é assinada pelos artistas e gestores Alexandre Milagres e Tadeus Mucelli, que também integram a equipe da Bienal de Arte Digital. A iniciativa, fomentada pelo MM Gerdau e realizada pelo programa CoMciência, voltado para divulgação científica do Museu, surgiu do desejo de se estabelecer uma agenda contínua de ocupação criativa e propositiva de seus espaços. Desta forma, o Edital CoMciência foi lançado em junho de 2019, realizando uma chamada a artistas e pesquisadores que atuam no desenvolvimento de trabalhos que passeiam entre arte, ciência e tecnologia, refletindo sobre as questões de nosso presente, e por que não, sobre quais questões o futuro nos reserva.

O público interessado em conhecer mais sobre as obras e os artistas pode acessar o site www.programacomciencia.org.br.

Todas as atividades listadas acima são gratuitas. A programação completa do MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal está disponível no site: http://www.mmgerdau.org.br/programe-se/

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here