Tampinha Legal recolhe 400 toneladas de tampas plásticas

0
307

A quantidade é o trabalho de mais de 240 entidades assistenciais cadastradas no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Alagoas, Pernambuco, Goiás e no Distrito Federal.

O Tampinha Legal, programa desenvolvido pelo Instituto SustenPlást, chega, nesse mês de março, a quantia de 400 toneladas de tampas plásticas recolhidas. Ao todo, mais de 240 entidades assistenciais participam do processo de recolhimento do material nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Alagoas, Pernambuco, Goiás e no Distrito Federal. Atualmente são mais de dois mil pontos de coleta que podem ser consultados no site do TL no link
tampinhalegal.com.br/web/pontos-de-coleta/

“Através do Tampinha Legal, proporcionamos sustentabilidade econômica, social e ambiental Elevando os níveis de consciência socioambiental, atingimos um engajamento maior da sociedade, que atua como protagonista desta mudança. O Tampinha Legal é a Economia Circular viva, acontecendo todos os dias em todos os ambientes: casas, comércio, órgãos públicos e empresas. Todos estão engajados no mesmo propósito e fazendo tudo em sincronia”, sustenta a coordenadora do programa Tampinha Legal, Simara Souza.”

Dentro desta quantidade, mais de R$ 730 mil reais já foram destinados para as entidades assistenciais. Os valores obtidos se transformam em recursos para que as mesmas possam incrementar seus orçamentos e o plástico retorna para a indústria, como matéria-prima, permitindo a fabricação de produtos como vassoura, prendedores de roupa e baldes.

O Tampinha Legal

O Tampinha Legal é iniciativa do Instituto SustenPlást, buscando a melhor valorização de mercado para o material plástico. Recentemente, lançou as ações Copinho Legal e Canudinho Legal que, seguindo o modelo do Tampinha Legal, destinam 100% dos recursos obtidos com a venda dos destes materiais para as entidades assistenciais participantes do programa. Além do site, também é possível acompanhar o trabalho do Tampinha Legal por redes sociais, como YouTube e Facebook.

Por Mariana Tripoli – MTB 18.945

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here