Nova Zelândia reúne especialistas para debater inclusão e integração de indígenas na educação

0
265

Education New Zealand, agência do governo neozelandês para educação internacional, promove último evento da série de cinco encontros online – e ao vivo – para países da 
América Latina em 2020; 

 

Encontro contará com transmissão ao vivo em 9 /12, a partir das 18h, com tradução simultânea e certificado de participação; 

São Paulo, dezembro de 2020 – A Education New Zealand, agência do governo neozelandês para a educação internacional, promove a última edição de 2020 da série Kōrerorero, encontros online com acadêmicos e profissionais da Nova Zelândia, Brasil e América Latina. Neste último evento, os especialistas vão abordar como a Nova Zelândia está definindo padrões internacionais de integração e inclusão de indígenas na educação. O encontro acontece na quarta-feira, 9 de dezembro, a partir das 18h (Brasília), com transmissão ao vivo pelo Zoom e certificado de presença ao público que acompanhar o evento. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site.

A transmissão será em inglês e haverá tradução simultânea para português e espanhol pela plataforma Zoom. Além disso, o canal Study in New Zealand, no Youtube, também transmitirá o evento (acesse em: https://youtu.be/fRBB3XnBNq8).   O encontro contará com abertura de Ed Tuari, conselheiro-chefe maori da Education New Zealand e moderação da vice-chanceler Maori da Universidade de Waikato, Sarah Jane Tiakiwai. Os debatedores vão tratar de temas que envolvem a integração de povos nativos na educação, como iniciativas de tecnologia, soluções de educação a distância, cultura e linguagem Maori, entre outros tópicos.

Vale ressaltar que, no Brasil, a Lei de Cotas (12.711/12) vem promovendo aumento do ingresso de indígenas no ensino superior. De acordo com o último Censo da Educação Superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), há 56,7 mil indígenas matriculados em instituições brasileiras de ensino superior.

Batizada de Kōrerorero, expressão em Maori – idioma do povo nativo da Nova Zelândia – que significa “conversa, discussão”, a iniciativa promove debates entre pesquisadores das principais universidades do país e representantes da indústria e órgãos governamentais.

 

Conheça os participantes

Moira Fortin – é atriz e leciona no Programa de Línguas e Culturas da Universidade de Otago. Doutora em Estudos Teatrais pela Universidade de Wellington, Moira contribuiu com pesquisas sobre as regiões da Ilha de Páscoa e Rapa Nui, no Chile, onde participou de estudo diagnóstico que realizou o primeiro relato completo das artes cênicas do estado de Rapanui. Atualmente, suas pesquisas estão relacionadas com a tradução da versão em espanhol da peça The Motorway, investigando como a mudança de linguagem afeta a atuação, o movimento e a produção geral da peça.

Tania Ka’ai – diretora do Instituto de Línguas Te Ipukarea, Te Ara Auaha da Faculdade de Design e Tecnologias Criativas da Universidade de Tecnologia de Auckland. Tania é de etnia Maori da Nova Zelândia e tem herança de nativos havaianos, Maori das Ilhas Cook e samoanos. Como professora, Tania utilizou dos valores e conhecimentos culturais transmitidos por seus ancestrais e mentores indígenas para basear sua trajetória acadêmica, sendo reconhecida por validar os conhecimentos e metodologias indígenas no âmbito acadêmico.

Natalie Lulia – mestre em negócios e gestão, líder do projeto Māori Business CAPEs na Universidade de Waikato. Tem ampla experiência em desenvolvimento de programas e envolvimento indígena internacional. Sua vivência faz com que tenha uma abordagem centrada nas pessoas, desenvolvendo programas e iniciativas originais por meio do terceiro setor e da Iwi (maiores unidades sociais na cultura maori). Também trabalha com grupos indígenas dos EUA, Canadá, Ásia e América Latina.

Duane Grace – com mais de 20 anos de experiência nos setores de educação e tecnologia, já atuou como gerente e consultor de projetos locais e nacionais de inovação para a educação Maori. Seu trabalho inclui a criação de caminhos tecnológicos para a juventude Maori, na construção de infraestrutura de ensino a distância, expansão de opções curriculares nas escolas locais, capacitação e aumento da proficiência digital dos professores nativos e apoio às instituições de ensino para a adoção de novas tecnologias. Atualmente, Grace lidera um time global que está desenvolvendo suportes tecnológicos para a educação indígena.

 

Sobre a Education New Zealand (ENZ)

A Education New Zealand (ENZ) é a principal agência do governo para a divulgação e representação da educação da Nova Zelândia em âmbito internacional. Com o objetivo de tornar a Nova Zelândia conhecida como destino para estudantes internacionais e como a mais importante parceira para conhecimento e serviços ligados à educação, a ENZ conta com 70 funcionários em mais de 20 localidades e é dirigida por uma junta nomeada pelo Ministro de Educação Superior, Competências e Ofícios.