Polícia Federal investiga envolvimento de indígenas em exploração ilegal de madeiras

0
280

Os madeireiros eram autorizados e tinham informações sobre operações e fiscalizações

A Polícia Federal investiga grupo criminoso que pratica crime de extração ilegal de madeiras nas Terras Indígenas Igarapé Lourdes e Sete de Setembro, localizadas nos municípios de Ji-Paraná e Cacoal, em Rondônia. Nesta quinta-feira (11), foi deflagrada a Operação Igarapé visando desarticular a associação criminosa.

Cerca de 16 policiais federais cumpriram quatro mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Federal de Ji-Paraná (RO), nas cidades de Ministro Andreazza e Cacoal. As investigações tiveram início após a apreensão de celulares de um grupo de madeireiros que estava atuando dentro da Terra Indígena Igarapé Lourdes, ocasião em que foi possível identificar a forma de atuação do grupo, os responsáveis pelos maquinários utilizados no desmatamento e os donos de serrarias receptores da madeira extraída ilegalmente.

Os levantamentos realizados culminaram ainda na identificação de indígenas envolvidos na extração ilegal de madeira, os quais estariam atuando junto aos madeireiros e concedendo autorização para acesso às Terras Indígenas. Ainda foram identificados os olheiros que atuam na região com intuito de informar os investigados sobre a presença da polícia e de equipe de fiscalização ambiental.

Os investigados responderão, na medida de sua participação, pelos crimes de associação criminosa (Art. 288 do Código Penal), desmatamento (Art. 50-A da Lei 9.605/98) e usurpação de bens da União (Art. 2º da Lei 8.176/91), além de outros crimes que porventura possam surgir no decorrer das investigações.

O nome da operação é alusão ao nome da Terra Indígena onde os investigados possuem maior frente de atuação e local onde foram apreendidos os telefones que culminaram na identificação do grupo. A Polícia Federal continuará a investigação e apuração na tentativa de elucidar a real amplitude da associação criminosa, bem como identificar todos os envolvidos.

 

Por Mundo e Meio com informações da Ascom da PF-RO