Dia Mundial de Combate ao Câncer: Fardo continua crescendo

0
281

O número de pessoas com diagnóstico de câncer chegou a 19,3 milhões em 2020. Cerca de 10 milhões de pessoas morreram com a doença no mesmo ano.

Os dados da Organização Mundial da Saúde, OMS, foram publicados nas vésperas do Dia Mundial de Combate ao Câncer, marcado esta quinta-feira, 4 de abril.

Novos dados

O câncer é a segunda principal causa de morte no mundo, com 70% das vítimas fatais em países de baixa e média rendas.

Atualmente, uma em cada cinco pessoas em todo o mundo desenvolve câncer durante a vida. Além disso, um em cada oito homens e uma em cada 11 mulheres morrem.

O câncer de mama é hoje a forma mais comum, cerca de 11,7% dos novos casos, seguido pelo câncer de pulmão, 11,4%, colorretal, 10%, e próstata, 7,3%.

OPS-OMS/Sebastián Oliel
Nas mulheres o mais comum é também o que mais mata: o câncer de mama

O câncer também é uma das principais causas de morte de crianças e adolescentes, com cerca de 400 mil crianças diagnosticadas a cada ano.

O impacto econômico do câncer é significativo e crescente. A OMS estima que o custo econômico anual em 2010 foi cerca de US$ 1,16 trilhão.

Previsões

O fardo da doença deve aumentar nos próximos anos, com o número de novos casos em 2040 sendo 47% maior do que em 2020. Os maiores aumentos devem acontecer em países de baixa e média rendas.

Nesses Estados, o diagnóstico acontece em estágio final e faltam diagnósticos e tratamentos de qualidade. A situação foi agravada pela pandemia de Covid-19.

Antes da crise de saúde, mais de 90% dos países de alta renda tinham serviços de tratamento disponíveis, mas isso apenas acontecia em menos de 30% dos países de baixa renda.

Segundo a OMS, esses tratamentos foram interrompidos em mais de 40% dos países pesquisados. Além disso, pessoas que vivem com a doença correm maior risco de desenvolver formas graves de Covid-19.

Unicef/ Karel Prinsloo
Maior causa de morte pela doença é o câncer de mama e, em segundo lugar, pulmão

Câncer de mama e cervical

O câncer de mama ultrapassou o câncer de pulmão como a forma mais comum da doença, com cerca de 2,3 milhões de novos casos no ano passado.

A OMS está trabalhando com a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer e a Agência Internacional de Energia Atômica em uma nova iniciativa sobre diagnóstico oportuno e tratamento abrangente, que deve ser lançada em março.

Entre as mulheres, o câncer cervical é o quarto tipo mais comum, afetando 604 mil pacientes em 2020. Os números continuam aumentando.

A doença afeta desproporcionalmente pessoas de países de baixa e média renda., onde ocorreram quase 90% das mortes globais.

A OMS diz que existem estratégias para a eliminação deste tipo de câncer, como a vacina contra o vírus do papiloma humano, HPV, rastreamento e tratamento de lesões e novas técnicas de cirurgia.

A agência tem várias metas nessa área, incluindo vacinar 90% das meninas com menos de 15 anos, fazer testes em 70% das mulheres com 35 anos e 45 anos e tratar 90% das mulheres com diagnóstico positivo. Se tudo isso for realizado, podem ser evitadas 4,5 milhões de mortes até 2050.

Pnud/Levent Kulu
A atividade física pode ajudar a reduzir o risco de alguns tipos de câncer.

Fatores de risco

Cerca de um terço das mortes por câncer são devidas ao uso de tabaco, alto índice de massa corporal, baixo consumo de frutas e vegetais, falta de atividade física e uso de álcool.

O uso do tabaco é o fator de risco mais importante e é responsável por aproximadamente 22% das mortes por câncer. Infecções causadoras de câncer, como hepatite e HPV, são responsáveis por até 25% dos casos em países de baixa e média renda.

Fatores ambientais, como poluição do ar e da água, são fatores de risco para alguns tipos de câncer, como câncer de pulmão, bexiga e colorretal. A radiação ultravioleta, principalmente resultante da exposição ao sol, continua sendo a principal causa de câncer de pele.