Agrofloresta: implantação do sistema de cultivo mudou relação com a natureza e aumentou a renda de famílias em Juruti (PA)

0
639

Projeto encabeçado pela PRETATERRA promoveu benefícios econômicos e ecológicos para a região

Os sistemas agroflorestais estão ajudando famílias do Pará a diversificar a produção e, ao mesmo tempo, restaurar a floresta. É o caso da Família Soares, que está trocando a prática ancestral de usar o fogo para limpar novas áreas e trabalhar uma única cultura, pela prática de mulching e o plantio de diferentes espécies simultaneamente. O projeto, desenhado e implantado pela PRETATERRA, uma iniciativa brasileira que se dedica à disseminação de sistemas agroflorestais regenerativos pelo mundo, em parceria com a WRI Brasil (World Resources Institute WRI), tem ajudado os Soares na restauração de florestas, aliando o uso da terra, a produção e a preservação.

Durante anos, a família realizou a coivara, método de queima de áreas de floresta para preparar a terra antes do plantio. Além disso, eles trabalhavam somente com a mandioca na propriedade da família, localizada na zona rural de Juruti (PA), às margens do rio Amazonas. Da mandioca, produziam apenas a farinha, até então sua principal fonte de renda. Ao longo dos anos se aperfeiçoaram e criaram mais de 20 produtos, oriundos da mesma matéria-prima, como a tapioca, o beiju, o tucupi, a goma, o carimã e diversos tipos de bolos únicos da Amazônia Brasileira.

Projeto agroflorestal

Em 2018 nasceu o “projeto” de vida que está mudando a relação dos Soares e de outras famílias de Juruti (PA) com a terra: a agrofloresta. Um sistema de produção inspirado na dinâmica dos ecossistemas naturais, nos quais espécies florestais perenes são plantadas junto com cultivos agrícolas e criações de animais. É um sistema produtivo que concilia a produção de alimentos com a recuperação de áreas degradadas, promovendo benefícios econômicos e ecológicos.

DCIM100MEDIADJI_0234.JPG

Foram alguns meses de diagnóstico, realizado entre a PRETATERRA e a WRI Brasil, para identificar famílias engajadas e dispostas a investir no novo modelo produtivo. Após a definição dos grupos, começou o desenho de cada sistema. A proposta foi trabalhar com módulos, replicáveis e com possibilidade de serem realizados ajustes e substituições de espécies ou plantios, ao longo do processo e dependendo das necessidade e aspirações de cada agricultor.

No sistema agroflorestal, desenvolvido por esse projeto, o agricultor e sua cultura são respeitados e ela ou ele pode continuar o tradicional plantio de mandioca de 1 m x 1 m, ma

DCIM100MEDIADJI_0230.JPG

s deve evitar a queimada total para preparação da área. “O modelo parte do plantio de mandioca, já adotado pelos produtores locais, porém sem uso de fogo. Na matriz são inseridas espécies arbóreas nativas de ciclo longo, espaçadas em 10 metros. Entre essas árvores são incluídas algumas espécies frutíferas. Os Soares, por exemplo, optaram por açaí, manga, romã, tangerina, limão, entre outras”, explica a engenheira florestal e uma das fundadoras da PRETATERRA, Paula Costa.

 

Com o novo modelo produtivo, a família Soares e demais agricultores da região diversificaram e aumentaram as fontes de renda a médio e longo prazo. Tudo isso a partir de um sistema livre de desmatamento e degradação, em uma região que carece de dinamismo econômico sustentável. “Essa mudança traz mais qualidade de vida às famílias, que passaram a ter uma renda e uma variedade de alimentos maior. Além disso, estão preservando, resgatando a biodiversidade e evitando o desmatamento e a derrubada da floresta. Esse projeto trouxe esperança de um futuro melhor para essas famílias”, complementa o engenheiro florestal e também fundador da PRETATERRA, Valter Ziantoni.

O modelo produtivo, que pode ser adaptado para qualquer bioma, consiste em misturar na mesma área espécies com diferentes ciclos produtivos para que o consórcio gere renda a curto, médio e longo prazo. Assim é possível alternar espécies arbóreas nativas de grande porte, fundamentais para a captura de carbono e a preservação da biodiversidade, com árvores frutíferas de alto valor agregado e cultivos agrícolas como mandioca, milho e feijão. Em um cenário de transição climática e riscos ambientais, a agrofloresta apresenta-se como a principal resposta para a conservação do bioma amazônico e a integração socioeconômica das famílias que ali habitam.

Sobre a PRETATERRA

Iniciativa que se dedica à disseminação de sistemas agroflorestais regenerativos, desenvolvendo designs replicáveis e elásticos, combinando dados científicos, informações empíricas e conhecimentos tradicionais com inovações tecnológicas, construindo um novo paradigma produtivo que seja sustentável, resiliente e duradouro.

Designers e modeladores dos sistemas agroflorestais da Fazenda da Toca, na vanguarda da Agrofloresta, a PRETATERRA projetou, implementou e modelou economicamente o design agroflorestal que ganhou, em 2019, o primeiro lugar em Sustentabilidade do Prêmio Novo Agro, do Banco Santander e da ESALQ, com o case “Café dos Contos”, em Monte Sião (MG). Em 2018, a PRETATERRA ganhou o primeiro lugar em negócios inovadores no concurso de startups no Hackatown e, em 2020, a PRETATERRA está entre os finalistas do Prêmio Latinoamerica Verde, de startups e projetos inovadores em sustentabilidade da América Latina. Em 2021 a PRETATERRA passa a encabeçar a maior iniciativa regenerativa do mundo em sua frente Agroflorestal, a Circular Bioeconomy Alliance.

Para saber mais clique aqui