Nasa testa super foguete que vai levar homem de volta à Lua

0
195

A novidade foi divulgada em fotos e imagens no Twitter  da  NASA (Agência Aeroespacial dos EUA), na tarde desta quinta-feira (18), quando o foguete Space Launch System (SLS, ou Sistema de Lançamento Espacial) funcionou os quatro gigantes motores, apesar de não ter saído da Terra. Foram 499,6 segundos de ronco forte e muita fumaça, simulando os procedimentos de lançamento.

O aparelho foi aprovado neste teste de oito minutos. O Projeto Artemis é ambicioso e está perto de uma partida com tripulantes à bordo. A NASA quer chegar novamente à Lua com astronautas no máximo até 2024, portanto nos próximos três anos.

O super foguete tem 65 metros de comprimento, sendo o maior já construído pela Agência. Este foi o segundo teste remoto e aconteceu no Centro Espacial Stennis, no Mississippi. No primeiro teste, em janeiro deste ano, o SLS apresentou alguns erros e durou apenas um minuto. Para esse novo teste tudo foi refeito e alcançou a precisão.

O Foguete tem dois tanques de combustível que armazenam mais de 3 milhões de litros de hidrogênio líquido superfrio e oxigênio líquido, para abastecer os quatro motores RS-25.

“O SLS é o foguete mais poderoso que a Nasa já construiu e, durante o teste de hoje, o estágio central gerou mais de 1,6 milhão de libras de impulso em sete segundos”, disse Steve Jurczyk, administrador da agência espacial.

“Ele é uma obra incrível de engenharia e o único capaz de viabilizar a próxima geração de missões norte-americanas. Este teste é um marco importante no objetivo de colocar humanos novamente na superfície lunar, e além”, completou.

Veja aqui as imagens da NASA

A primeira vez que astronautas chegaram à Lua, foi através do Projeto Apollo 11, um voo espacial tripulado norte-americano responsável pelo primeiro pouso na Lua. Os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin alunissaram o módulo lunar Eagle em 20 de julho de 1969 às 20h17min UTC.

As viagens tripuladas ao satélite natural da Terra não ocorrem mais devido ao alto custo operacional do Projeto Apollo. Mas de 50 anos depois, o Projeto Artemis promete ser viável para as expedições lunares.

Por Mundo e Meio